segunda-feira, fevereiro 27, 2006


Na vida do homem, a duração é um instante; a substância, fluente; a sensação, embotada; o composto de todo o corpo, pronto a apodrecer; a alma, um turbilhão; o destino, um enigma; a fama, uma vaga opinião. Em resumo, tudo o que respeita ao corpo, um rio; e a alma, sonho e fumo; a vida, uma guerra, um exílio no estrangeiro; a fama póstuma, o esquecimento. Que pode então guiar-nos? Única e exclusivamente a filosofia.

Marco Aurélio, Pensamentos

domingo, fevereiro 19, 2006

Serão os Americanos, os Romanos em ascensão, e os Europeus, os Gregos em decadência?

A América está feita com a sobra da Europa.


Ortega y Gasset, A Rebelião das Massas

Alguns carpem o fim duma Europa impotente, presa nos seus próprios dilemas, paralisada na acção face aos desafios que o mundo lhe coloca e falam duma América activa, o braço forte do Ocidente, como se a Europa fosse uma Grécia decadente e a América uma Roma ascendente. Trata-se de uma falsa ideia. A união dos povos da Europa é coisa inaudita e poderosa. O desejo de adesão à União Europeia, por parte de Estados europeus e até extra-europeus é uma manifestação da força do projecto europeu. Para reforçar o seu papel no mundo, a Europa só tem de trilhar o seu próprio caminho, não contra os americanos, nem contra ninguém. Trata-se de um novo caminho. Um caminho nunca trilhado, repleto de esperança e de futuro. Pensar na União Europeia à luz de um modelo do tipo Estados Unidos da Europa, como se pensou no início, quando se criou a CEE, é um erro crasso. O modelo a seguir é novo, trata-se de uma união de povos distintos e de diferentes nações e não de estados distintos numa só nação.

sábado, fevereiro 18, 2006

A felicidade de uma alegria interior e sublime está reservada àquele que opõe a sua inexorável personalidade aos orgulhosos deuses e comodoros deste mundo.

Melville, Moby Dick, Relógio d’ Água Editores, Lda. , Pág. 74.

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Deus, o livre arbítrio e os condutores de homens

Acontece porém, que uma das marcas essenciais do homem está, com todos os males que tal possa acarretar, na sua possibilidade de se opor, de resistir a Deus, e eis um ponto em que deviam meditar todos os que pretendem conduzir homens aos seus fins deles, não dos próprios homens; mas também é verdade que esses, por seu turno, estão resistindo a Deus. O Português podia ter resistido ao apelo do longe, Portugal podia ter-se recusado à acção.

Agostinho da Silva, Reflexão, Guimarães Editores, Colecção Filosofia & Ensaios, 1996, pág. 36
Ao recusar-se à acção, os portugueses estariam a opor resistência ao Eterno, mas o apelo do Eterno foi mais forte, e reflectiu-se na imensidão do mar, vindo de todos os azimutes, através dos oceanos infinitos.

domingo, fevereiro 12, 2006

A paz e a ausência de conflitos

Toda a vida é a luta, o esforço por ser ela mesma.

Ortega y Gasset, A Rebelião das Massas


A paz não é meramente a ausência de conflitos, é algo mais. A verdadeira paz não é passiva é activa. A paz envolve um esforço constante das sociedades para mantê-la. A paz, por vezes, não se consegue sem o confronto. Pax romana. Quando os Romanos negligenciaram a sua paz, a paz acabou para os Romanos. Os Romanos acabaram. Às vezes é preciso lutar para conquistar a paz. Esta é a dura realidade. A paz está longe de ser coisa para pacifistas.
O actual renascimento fundamentalista deve-se, em parte, ao sentimento de que os valores liberais do Ocidente representam uma ameaça para as sociedades islâmicas tradicionais.


Fukuyama, Francis, O Fim da História e o Último Homem, Lisboa, Gradiva, 1999, pág.65.

sábado, fevereiro 11, 2006

O Fim da História e o Choque de Civilizações

As guerras entre clãs, grupos étnicos, comunidades religiosas e nações têm sido prevalecentes em todas as épocas e civilizações porque têm as suas raízes nas identidades dos povos.

Huntington, Samuel, O Choque das Civilizações, Gradiva, 1999, pág. 296.

As duas teses surgidas no final do século XX parecem encerrar uma contradição entre si porque a marca da história tem sido o confronto de civilizações. A Bíblia está repleta de confrontos civilizacionais e Heródoto há cerca de 2500 anos atrás já narrava o choque de civilizações entre o Egipto e a Mesopotâmia, entre Gregos e Fenícios e desde então os confrontos sucederam-se: Gregos e Persas, Romanos e Gregos, Romanos e Cartagineses, Ocidentais e Muçulmanos, Ocidentais e Incas, Ocidentais e Astecas, Chinenses e Japoneses e por aí fora. Por isso, qual é a novidade se actualmente, numa era em que todas a civilizações tem conhecimento umas das outras, existem atritos, choques e conflitos. É a história. E a história continua...

segunda-feira, fevereiro 06, 2006



Vejo as lágrimas no teu rosto, mais amargas que o fel.
A farda que transportas na tua retirada, vai desmazelada.
O fim desse império efémero...
O futuro incerto no teu caminho...
Vai livre miúdo.
Nunca foste um soldado desse maldito Reich.
Foste um miúdo fardado,
que queriam fazer soldado.

domingo, fevereiro 05, 2006

Quando as pessoas aceitam a futilidade e o absurdo como coisas normais, a cultura está decadente.

Barzun, Da Alvorada à Decadência, Gradiva, pág. 30.

O acanalhamento não é outra coisa senão a aceitação como estado habitual e constituído de uma irregularidade, de algo que enquanto se aceita continua parecendo indevido. Como não é possível converter em sã normalidade o que na sua essência é criminoso ou anormal, o indivíduo opta por adaptar-se ao indevido, fazendo-se totalmente homogéneo com o crime ou a irregularidade que arrasta.

Ortega y Gasset, A Rebelião das Massas

«Deveremos continuar a fechar os olhos? Será ético prosseguirmos, como se nada de preocupante se estivesse a passar? Até quando é legítimo fingirmos que desconhecemos os problemas?»

[Questões de Daniel Sampaio, Pública de 28 de Janeiro, a propósito dos adolescentes portugueses que manifestam comportamentos de risco.]

sábado, fevereiro 04, 2006

Tolerância

Tolerância?! Sim, com certeza.

Mas nas nossas sociedades democráticas tolerantes, demasiado tolerantes, não nos arriscamos a tolerar o intolerável?

Até a tolerância tem limites. E a intolerância também os tem.

Etiquetas