terça-feira, junho 28, 2011

A justa distribuição dos sacrifícios e blá, blá, blá.

«Cavaco Silva remete para a AR a avaliação do Programa do Governo, mas afirma que “é preciso cuidado na distribuição dos sacrifícios".»

É uma hipocrisia falar-se da justa distribuição dos sacrifícios sem que se defenda uma auditoria à dívida portuguesa. Sem se saber quem são os responsáveis pela dívida, quem viveu acima das suas possibilidades, quem contraiu dívida e quais os valores contraídos, não se pode falar em distribuição justa dos sacrifícios. Enquanto Cavaco Silva não vier defender uma auditoria à dívida portuguesa, não nos convencerão as suas palavras de que é preciso ter muito cuidado na distribuição justa desses sacrifícios". Soarão a hipocrisia.

Fazer pagar a todos a dívida contraída por alguns é uma injustiça. Tornar a todos devedores quando apenas alguns se endividaram é uma injustiça. Mesmo que uma parte dessa dívida seja atribuível à gestão danosa do Estado.

Por isso, Sr. Presidente, defenda lá a auditoria à dívida portuguesa e deixe-se de tretas.

Walt Whitman, o poeta das transfigurações

Walt Whitman é o poeta das transfigurações. É o poeta sem medo. O poeta da Natureza. Transfigura-se no mundo visível e invisível. Não desafia a morte porque a aceita sem temer. O seu espírito deambula, desde os lugares mais luminosos aos mais sombrios. Nas estradas e ruas das cidades. No meio dos regimentos em batalha. Entre as árvores. Sobre a relva. Voando como um falcão. Sentindo o pulsar do coração dos veados. Whitman torna-se o grande sentido do mundo. É panteísta. Sente Deus em todo o lado e em si. E não aceita que lhe venham dizer quem Deus é e onde está.

Sobre o XVIII de Songs of myself (Walt Whitman)

Eis um hino à própria música. A vitória da derrota e a derrota da vitória. “Também te digo que é bom perder, as batalhas perdem-se com o mesmo espírito com que se vencem”. Tudo se torna mais sereno. Cessou o medo da derrota. Os vencidos fazem parte da festa. Todos são saudados. O conjunto de vitoriosos e vencidos é o mais importante. Sem uma parte a outra perderia significado. A evolução é um jogo de vida e de morte. Que soe a música da vida! Bem sonora! Honras aos vencedores e vencidos (ergamos as nossas taças). Ambos são a face de uma mesma moeda.

Song of Myself

18

«With music strong I come, with my cornets and my drums,
I play not marches for accepted victors only, I play marches for
conquer'd and slain persons.

Have you heard that it was good to gain the day?
I also say it is good to fall, battles are lost in the same spirit
in which they are won.

I beat and pound for the dead,
I blow through my embouchures my loudest and gayest for them.

Vivas to those who have fail'd!
And to those whose war-vessels sank in the sea!
And to those themselves who sank in the sea!
And to all generals that lost engagements, and all overcome heroes!
And the numberless unknown heroes equal to the greatest heroes
known!
»

Walt Whitman, Leaves of Grass, Song of Myself, XVIII

***

Tradução:

«Com estrondosa música venho, com as minhas corneta e os meus tambores,
Não só toco marchas para os vencedores aclamados, também as toco para os conquistadores e abatidos.

Ouviste dizer que foi bom vencer?
Também te digo que é bom perder, as batalhas perdem-se com o mesmo espírito com que se ganham.

Toco e volto a tocar pelos mortos.
Sopro por eles a minha mais alta e alegre melodia.

Vivas pelos vencidos!
E por aqueles cujos vasos de guerra se afundaram no mar!
E por aqueles que também se afundaram no mar!

E por todos os generais que perderam e por todos os vencidos heróis!
E pelos inumeráveis heróis desconhecidos iguais aos maiores heróis conhecidos!
»

Walt Whitman, Folhas de Erva - Antologia, Assírio & Alvim, 2003, pág. 61-62
tradução de José Agostinho Baptista, excepto o ante-penúltimo verso

domingo, junho 26, 2011

O peso insustentável do antropocentrismo

«Com que direito, não os homens, mas certos homens se arrogam o poder de impor a sua única verdade à comunidade de todos os homens, na diversidade dos seus pensamentos e das suas culturas, justificando a exclusão e depois a extinção das espécies mais próximas de nós?

Não se trata de relativismo, mas de sublinhar mais uma vez que, mesmo no pensamento ocidental, existem outras sensibilidades abertas a um humanismo comprometido com a alteridade e acompanhado de uma interrogação fecunda que procura permanentemente não excluir. Os inquisidores que se tranquilizem! Ao ritmo a que se processam as destruições dos habitats naturais dos grandes macacos, todos eles terão desaparecido antes de 2050. Três mil anos depois de Aristóteles, estamos aqui. Em lugar de nos conduzir ao céu devido à elevação do nosso pensamento, a escala natural das espécies mergulha nos abismos da destruição sob o peso insustentável do antropocentrismo.»

Pascal Picq, Nova História do Homem, Círculo de Leitores, 2009. Pág. 114

***

Prossegue a sexta extinção de massas. Neste excerto da obra de um paleoantropólogo filósofo, deparo-me com uma terrível notícia: no ano 2050, já os grandes macacos terão desaparecido. Talvez os vejamos depois, embalsamados, por detrás das vitrinas de algum museu de história natural. Glorioso antropocentrismo!

terça-feira, junho 21, 2011

Pino Daeni (1939-2010) - Summer Retreat


sábado, junho 18, 2011

Aproximação cautelosa

Oh, como somos felizes, nós que procuramos o conhecimento, se não quebrarmos o silêncio prematuramente!...

Nietzsche, A Genealogia da Moral


Feliz o caçador que consegue aproximar-se furtivamente da sua presa, contra o vento e sem fazer estalar um galho.

A impaciência paga-se caro.

Qualquer precipitação pode deitar tudo a perder. Até o conhecimento pode fugir como uma presa assustada, antes de ser alcançado.

quinta-feira, junho 16, 2011

O pensamento que urge introduzir hoje em todo o nosso ensino

Já Pascal formulara o imperativo de pensamento que urge introduzir hoje em todo o nosso ensino, a começar pelo jardim-escola: «Sendo todas as coisas causadas e causantes, ajudadas e ajudantes, mediatas e imediatas, e sustentando-se todas elas por um laço natural e insensível que liga as mais afastadas e as mais diferentes, considero impossível conhecer as partes sem conhecer o todo, bem como conhecer o todo sem conhecer as partes»”

Blaise Pascal citado por E. Morin, Os Problemas do Fim de Século, Editorial Notícias, 1991, pág. 201.

***

No extremo, um especialista é aquele que sabe tudo sobre nada, e um generalista, é aquele que sabe um pouco sobre tudo.

É um erro apostar num ensino que enfatize a formação de especialistas que desconheçam o funcionamento do todo; da mesma forma é um erro apostar num ensino que enfatize a formação de generalistas que desconheçam o funcionamento das partes.

Difícil é encontrar o ponto de equilíbrio entre estas duas perspectivas, ou seja, formar especialistas generalistas e generalistas especialistas.

domingo, junho 12, 2011

sábado, junho 11, 2011

Viva a Síria, abaixo Assad

VIVA A SÍRIA
ABAIXO ASSAD
(este grito hoje ecoou nas praças da síria e as balas voltaram a cruzar os céus)

***

Neste blogue não se fazem ataques ad hominem, excepto em relação a criaturas rasteiras como aquela ali em cima. Hoje, neste dia em que morreram pelo menos 25 sírios em manifestações, também aqui somos sírios.

A NATO, por menos, decidiu intervir na Líbia. Era necessário salvaguardar os investimentos das multinacionais (o capital) em território líbio (e não nos venham cá agora dizer que estavam preocupados com a saúde e o bem-estar do povo líbio). A Síria não possui tantas riquezas nem recursos naturais como a Líbia e as multinacionais também não abundam por lá. E assim lá vai o povo sírio sofrendo às mãos do seu algoz, o seu presidente, enquanto o mundo assiste placidamente através dos ecrãs de televisão.

sexta-feira, junho 10, 2011

O neoliberalismo e os que não crêem em tal

"Se o imoralismo é intolerável pela sua insensibilidade em relação ao real individual e social, o neo-liberalismo económico fractura a comunidade, cria uma sociedade dual, assegura a lei do mais rico, compromete o futuro. Mais do que nunca, devemos rejeitar a «ética da convicção», tanto quanto o moralismo da «mão invisível», em benefício de uma ética dialogada da responsabilidade, virada para a procura de equilíbrios adequados entre eficácia e equidade, para os interesses dos assalariados, para o respeito do indivíduo e do bem colectivo, presente e futuro, liberdade e solidariedade."

Gilles Lipovetsky, O Crepúsculo do Dever: A Ética Indolor dos Novos Tempos Democráticos, Publicações Dom Quixote, 2004. Pág. 23.

***
Em muitas enciclopédias de Política e Economia não encontramos a entrada do termo "neoliberalismo". Exceptuam-se as de Sociologia, Geografia e de outras ciências sociais. Os defensores desse dogma (ou ramificação do capitalismo), abominam o rótulo "neoliberal". Consideram uma idiotice o seu emprego. Tal coisa não existe, dizem, a não ser na boca de esquerdistas. Não querem reflectir no facto de filósofos, - tão ou mais eminentes ou insuspeitos como Gilles Lipovetsky -, geógrafos, antropólogos, e muitos outros académicos, entre os quais também economistas e cientistas políticos, empregarem o termo sem qualquer pudor. Existem obras enciclopédicas sobre o neoliberalismo, teses, estudos, histórias do neoliberalismo, etc. Mas essa gente continua a negar a evidência. Fazem lembrar os criacionistas, descrentes na teoria da evolução das espécies, ou os dogmáticos da Santa Inquisição, que condenavam as evidências da teoria heliocêntrica.

O crepúsculo do dever

As nossas sociedades liquidaram todos os valores sacrificiais, quer sejam determinados pela outra vida ou por finalidades profanas, a cultura quotidiana deixou de ser irrigada pelos imperativos hiperbólicos do dever e passou a sê-lo pelo bem-estar e pela dinâmica dos direitos subjectivos, deixámos de reconhecer a obrigação de nos ligarmos a qualquer coisa para além de nós próprios.

(…)

Sociedade pós-moralista: entenda-se uma sociedade que repudia a retórica do dever austero, integral, maniqueísta, e que, paralelamente, exalta os direitos individuais à autonomia, ao desejo, à felicidade.

Gilles Lipovetsky, O Crepúsculo do Dever: A Ética Indolor dos Novos Tempos Democráticos, Publicações Dom Quixote, 2004.

“Importa que os jovens deste tempo se empenhem em missões e causas essenciais ao futuro do País com a mesma coragem, o mesmo desprendimento e a mesma determinação com que os jovens de há 50 anos assumiram a sua participação na guerra do Ultramar.”

Cavaco Silva, Discurso do Presidente da República na Cerimónia de Homenagem aos Combatentes, por ocasião do 50º Aniversário do início da Guerra em África

Forte do Bom Sucesso, Lisboa, 15 de Março de 2011

***

Quantos de nós estaremos hoje dispostos a sacrificar a vida pela pátria, pela liberdade, pelos nossos concidadãos, pelo nosso bairro e pelos nossos vizinhos? No passado não se hesitava: os homens sacrificavam-se quando um rei, um presidente, um primeiro-ministro (ou um presidente do conselho) os convocava em nome da pátria. Partiam, sem contestar, para a guerra, para o Ultramar, para os campos de batalha longínquos, para a morte. Muitas vezes partiam às ordens dum líder lunático, sem sequer questionarem os seus ditames. A defesa do solo pátrio, por exemplo, sobrepunha-se ao bem-estar pessoal e à “dinâmica dos direitos subjectivos”. No passado (não muito distante) as mentalidades e a escala de valores eram outras.

Numa sociedade “pós-moralista”, como a actual, que “repudia a retórica do dever austero, integral, maniqueísta”, os incitamentos à acção pela pátria são recebidos com desagrado, repulsa ou desprezo. “Os direitos individuais à autonomia, ao desejo, à felicidade” sobrepõem-se aos deveres para com o colectivo, sempre que estes ponham em causa o bem-estar individual.

Talvez por isso, quando o Presidente Cavaco Silva, no dia 15 de Março deste ano, incitou os jovens de hoje a empenharem-se com a mesma coragem, desprendimento e determinação dos jovens de ontem, no cumprimento de missões e causas essenciais ao futuro do País, muitos tenham ficado chocados com o apelo.

Vivemos em sociedades capitalistas e liberais, onde prevalece a mentalidade do “primeiro eu, depois o mundo” e “depois de mim, o dilúvio”, por isso o que esperávamos?

Vivemos no crepúsculo do dever.

.

quinta-feira, junho 09, 2011

domingo, junho 05, 2011

Nevoeiro

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,
Define com perfil e ser
Este fulgor baço da terra
Que é Portugal a entristecer -
Brilho sem luz e sem arder,
Como o que o fogo-fátuo encerra.

Ninguém sabe que coisa quer.
Ninguém conhece que alma tem,
Nem o que é mal nem o que é bem.
(Que ânsia distante perto chora?)
Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.
Ó Portugal, hoje és nevoeiro...

É a hora!

Fernando Pessoa, Mensagem

Pelicanos

sábado, junho 04, 2011

As novas cidades-fantasma de Espanha

Ayamonte (à esquerda) e a sua recente vizinha, a cidade-fantasma de Costa Esuri (à direita)
(a escala das duas imagens é a mesma)

Quantas Ayamonte cabem em Costa Esuri - uma cidade nova e insustentável, que está às moscas?

Foi em projectos megalómanos como o de Costa Esuri que os bancos escoaram o dinheiro dos depositantes. Resultado: uma crise financeira que iremos pagar todos porque "os bancos são importantes demais para irem à falência".

E não se pense que é um problema só dos espanhóis. A rede internacional de transacções bancárias e financeiras serviu para difundir uma crise que teve o seu epicentro nos EUA, em 2007, e que já nos atingiu. A Espanha foi apenas uma das vítimas do contágio. Em última instância, a austeridade que nos está a ser imposta, resultou em grande parte desta crise no sector imobiliário (a bolha imobiliária) e da falta de regulação das actividades bancárias, financeiras e imobiliárias.

É uma grande injustiça os contribuintes e os trabalhadores terem agora de pagar a insanidade dos bancos e de outras instituições financeiras.

Os governos, entretanto, assobiam para o lado e estão com os bancos e com os mercados que lhes emprestam dinheiro.

E assim nos vamos escravizando aos mercados.

Lido esta semana


O que eu não perdoo a Sócrates e seus muchachos

sexta-feira, junho 03, 2011

Estado de desgraça

O próximo governo e respectivo primeiro-ministro entrará em estado de desgraça logo no dia 6 de Junho, estado esse que se manterá por muito tempo. Estado de graça não haverá. Desta vez não haverá. Mais tarde, talvez entremos numa espécie de estado engraçado…desgraçadamente engraçado. Quando o primeiro-ministro nos vier dizer que afinal não poderemos pagar a dívida. Que afinal será necessária uma reestruturação. Como se não o soubéssemos já.

quinta-feira, junho 02, 2011

La fuente de Reding

Guillermo Gómez Gil, La fuente de Reding, 1880-1885
(Museo Thyssen-Bornemiza, Málaga)

.

Entre ruínas

Habito num mundo arruinado. As ruínas estão por toda a parte. Os muros esboroam-se. As noras, abandonadas na serra, aguardam. As eiras, vencidas pelas estevas, desaparecem. Por todo o lado restam os despojos de uma civilização desaparecida. Quando estes montes eram habitados…Ah! quando eram habitados...Os cântaros eram transportados à cabeça das camponesas.

Esse Algarve morreu. As suas gerações já abandonam a terra e abandonam-me no meio destas ruínas.

Partem os meus avós, partem os meus pais: fico cada vez mais pobre, cada vez mais só.

Por vezes também apetece partir. Tomar aquela ponte ali. Zarpar.

Etiquetas