domingo, maio 30, 2010

A habitual fuga para trás

Quando falham os argumentos políticos contra as críticas dos comunistas, lá vem a habitual “fuga para trás”. Sobem aos palanques e esganiçam: “Como é possível ainda haver quem perfilhe as mesmas ideias do partido de Estaline, esse assassino de povos, criador de gulags?”. Pois.

Seguindo esse raciocínio poderíamos argumentar: como é possível haver quem perfilhe a mesma ideologia daqueles que fritaram inocentes com bombas atómicas em Hiroshima e Nagasaki, ou que esfolaram outros inocentes com napalm no Vitname? (E não falemos das crianças mutantes de Falujah).

Como é possível?

Não consta que existam gulags no Brasil, um país com 200 milhões de habitantes, onde governa o PT. Não consta que existam campos de concentração em Cuba, excepto na base norte-americana de Guantanamo. Não consta que nos concelhos dos arredores de Lisboa, onde comunistas governam as edilidades desde o 25 de Abril de 1974, e sempre reeleitos, se comam criancinhas ao pequeno-almoço.

Enfim, é a habitual fuga para trás dos políticos medíocres, quando lhes faltam os argumentos. Procuram os olhos aos quais devem lançar a areia e lançam-na.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Etiquetas