domingo, julho 24, 2016

Mais ouro


Irmãos Pedro e Diogo Costa: Campeões Mundiais da Classe 420, vela.

domingo, julho 17, 2016

A tragédia turca

A tragédia turca é a tragédia da democracia nos países islâmicos. A Turquia é hoje um país presidido por um radical islâmico democraticamente eleito. Vencidos os golpistas a criatura não perdeu tempo para trazer Alá à liça. Não um deus justo, mas um deus vingador. Atentar contra Erdogan foi atentar contra Alá, que agora se vingará daqueles que ousaram tentar derrubá-lo através de um golpe de Estado quixotesco.

O simbolismo do canto dos muezins, apelando à população para vir para a rua na noite do golpe de Estado, a pedido de Erdogan, é evidente. Alá estava com Erdogan.

Atatürk deve estar a dar voltas na tumba.

quarta-feira, julho 13, 2016

O abismo da história, uma vez mais

A velha Europa, em vez de saltar em frente, por cima do abismo da história, deixa-se resvalar uma vez mais para esse abismo, presa a um destino que ninguém deseja.

terça-feira, julho 12, 2016

O arreigado empenho da Europa na desunião

A habitual unidade da China e a perpétua desunião da Europa têm ambas uma longa história. As áreas mais produtivas da China moderna foram politicamente unidas pela primeira vez em 221 a.C. e assim permaneceram pela maior parte do tempo desde então. A China teve um só sistema de escrita desde os inícios da literacia, uma única língua dominante por muito tempo e unidade cultural substancial durante dois mil anos. Pelo contrário, a Europa nunca esteve, nem de longe, perto da unificação política: ainda estava repartida por 1000 pequenos estados independentes no século XIV, em 500 estados em 1500 d.C., reduziu-se a um mínimo de 25 estados na década de 80 e, no momento em que escrevo esta frase, já é de novo constituída por cerca de 40. A Europa ainda tem 45 línguas, cada uma delas com o seu alfabeto modificado, e uma diversidade ainda maior. Os desacordos que ainda hoje continuam a frustrar até as mais modestas tentativas de unificação europeia através da Comunidade Económica Europeia (CEE) são sintomáticos do arreigado empenho da Europa na desunião.

Jared Diamond, Armas, Germes e Aço, Relógio d’Água Editores, 2002, página 447.
(destaques nossos)

E ainda hoje, em 2016, como se comprova pelo actual contexto político europeu, a Europa se empenha na desunião.

“União Europeia” soa, portanto, a ironia da história. Jamais resultará. É uma ideia peregrina. São utópicos os que defendem um aprofundamento da união política da Europa, uma comum federação. Afinal poderá um cão ser cavalo? Poderá uma Europa que sempre prosseguiu a desunião política – é essa a sua essência, desde que o Ocidente é Ocidente, desde o fim do Império Romano – converter-se em união política? Nada mais há de contranatura. Se algum dia a Europa se tornasse politicamente unida, então anular-se-ia enquanto tal. Deixaria de ser Europa para passar a ser outra coisa qualquer. Os que propugnam um aprofundamento político da União Europeia estão a opor-se a um movimento longo, com mais de um milénio. São Quixotes que investem contra moinhos de vento ou tentam parar o vento com as mãos.

Poderá haver união na diversidade? Paradoxalmente, essa parece ser a fórmula. Mas para isso, é preciso abandonar a ideia de uma união política da União Europeia, como se de um império sediado em Bruxelas se tratasse. Não há povo que o deseje, apenas os líderes de um eixo que ambiciona exercer a sua dominação sobre os demais.

domingo, julho 10, 2016

Ora aí está

Portugal, Campeão da Europa!

Parabéns!

Isto é demais para um só dia





Parabéns!

Agora só faltam estes rapazes aqui em baixo.

Força rapazes!


Independentemente do desfecho, obrigado por terem trazido o nome de Portugal até aqui e pela esperança.

Hoje é o vosso dia.

Divirtam-se.

sábado, julho 09, 2016

A farsa

Hegel says somewhere that all great historic facts and personages recur twice. He forgot to add: “Once as tragedy, and again as farce.”

Karl Marx (1852) , The Eighteenth Brumaire of Louis Napoleon, Dodo Press, 2009.

Na ausência de um líder desejado que os comande nestes tempos conturbados – os putativos debandaram – os britânicos, na sua demanda por um líder novo, voltam-se agora para as suas referências de líderes fortes em tempos difíceis. E o exemplo mais próximo que parecem ter é o de Margaret Thatcher, a “Dama de Ferro”, que ganhou guerras distantes e próximas, contra a Argentina e contra os sindicatos dos mineiros do carvão, respectivamente. E vai daí, o Partido Conservador apurou agora duas tories que parecem ser a encarnação da Dama de Ferro, pelo menos na sua postura, determinação e expressão. Theresa May mais do que Andrea Leadsom. Mas esta, aparentemente mais dócil, não deixa de ser uma mulher forte e determinada. A comprovar este zeitgeist sebastiânico, os jornais britânicos colocam na primeira página parangonas que associam as duas candidatas tory à Dama de Ferro.



Mas os britânicos podem estar a cair num erro histórico muito comum. Como salientou Marx, os factos e os grandes personagens da história ocorrem primeiro enquanto tragédia e depois enquanto farsa. Margaret Thatcher só houve uma e já morreu, tal como Dom Sebastião. O que vier a seguir de mais parecido não passará de uma cópia ou de uma imitação barata. Em suma: uma farsa.

quarta-feira, julho 06, 2016

Félix

É um estado de espírito.

Viva Félix!

terça-feira, julho 05, 2016

Unanimismos e rebanhismos

O facto de não pôr uma bandeirinha à janela ou uma velinha quando há um atentado, ou um "je suis... qualquer coisa" no blogue, não significa que seja indiferente às glórias e às desgraças do mundo.

Mas há gente muito atenta a isto. Quando se põe é porque se põe, quando não se põe é porque não se põe. Ora vivam e deixem viver.

Etiquetas