segunda-feira, Julho 28, 2014

Tolerância e respeito

A questão da Rússia está a mostrar que o diálogo entre culturas não deve ser baseado na tolerância, mas sim no respeito. A tolerância só é precisa para aquilo de que não gostamos.”

Adriano Moreia, entrevista ao Jornal “i”, 26 de Julho de 2014

Grande Adriano! Daqui lhe tiro o meu chapéu. É isso mesmo.

Assim é, até nas relações pessoais. Pergunte-se o leitor: se prefere ser tolerado ou respeitado, não podendo escolher as duas?

Aqui preferimos ser respeitados, acima de tudo, ainda que não nos tolerem. E para sermos respeitados é preciso darmo-nos ao respeito. E como é essa história de nos darmos ao respeito? É simples. Miguel Esteves Cardoso, coloca esta questão muito claramente numa obra sua:

Para haver respeito, temos de nos fazer respeitar. Tem de ficar tudo dito e exprimido…

Miguel Esteves Cardoso, Como é Linda a Puta da Vida, Porto Editora, 2013, pag. 34

Tem de ficar tudo dito e exprimido.

O respeito é um valor mais elevado que a simples tolerância, e portando deve ser ele a reger o diálogo, entre culturas e entre pessoas. E nesse diálogo, tudo tem de ficar dito e exprimido.

A entrevista de Adriano é rica e pedagógica. Votaremos a falar dela.

domingo, Julho 27, 2014

Alcochete




E há deliciosas sardinhas assadas na brasa.

sábado, Julho 26, 2014

Velha política e nova geopolítica não combinam

António José Seguro ao computador.(*)
Os políticos, com destaque para os candidatos dos partidos maioritários na assembleia, continuam a fazer política à moda antiga. Parece que ainda não se aperceberam que os tempos são outros.

Prometem, como sempre prometeram, promessas aquilo que sabem que não irão cumprir, ou que poderão não cumprir, ou então, que não sabem que não irão cumprir (neste caso serão ingénuos? Quem quiser que acredite.). Quem quer ouvir promessas da boca de quem nunca as cumpriu e sempre enganou, e se enganou, uma vez no governo? Quem quer ouvir promessas de quem pensa, ou quer fazer-nos pensar, que o poder ainda reside no governo, quando o verdadeiro poder já não mora ali? Quem quer ouvir promessas de quem diz que não faz promessas, apontando infantilmente o dedo ao outro menino, que ele é que fez promessas e depois não cumpriu? Ofendem-nos, as promessas e as palavras doces e melífluas, quando os tempos são difíceis.

Os tempos são outros. Claramente, os que fazem promessas, não estão a ser realistas nem verdadeiros para com os eleitores. Seriam mais realistas se dissessem que devemos esperar sangue, suor e lágrimas, como uma vez fez esse grande estadista que foi Churchill.

Neste momento, Portugal é como se fosse um país sob ocupação, ainda que não tenha sido invadido por exércitos ou marinhas. Nem foi preciso. A velha geopolítica, que se baseava exclusivamente na contagem de soldados e canhoneiras para aferir o poder das potências em contenda, passou à história. Hoje a nova geopolítica baseia-se também noutros poderes tão ou mais eficazes do que o antigo poder da força das armas. A incapacidade da U.E. ou dos E.U.A. em realizar um verdadeiro boicote à Rússia é um exemplo do funcionamento desta nova geopolítica. Estamos já a ser dominados por poderes de origem difusa, difíceis de identificar com precisão, na sua proveniência.

Paulo Portas e Xi Jinping, na ilha Terceira
Enquanto isso, o governo português age como se fosse uma comissão liquidatária. Portugal está à venda e vende-se, e os nossos governantes acocoram-se frente aos poderes económicos e financeiros do mundo. A recente deslocação de Paulo Portas aos Açores para se encontrar com o presidente chinês é mais um sintoma desta situação: no nosso território, foi o vice-primeiro-ministro português ao encontro do chinês – um verdadeiro beija-mão - que por acaso lá fez uma escala nos Açores, a caminho do seu destino, e não foi o chinês a ir ao encontro do vice-primeiro-ministro português.


E até na CPLP Portugal se rendeu, na posição que assumiu, aos interesses económicos e financeiros (petróleo, gás natural e bancos…). A CPLP é pois, cada vez mais, uma CP (Comunidade de Países) e cada vez menos uma CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa). Uma vergonha.

---------------------------------------------

(*) - "As pessoas estão desiludidas com a forma como se faz política, uma parte dessa desilusão e desse desencanto reside no facto de os políticos, prometerem uma coisa antes das eleições e depois fazerem outra quando chegam ao poder, como é o caso deste primeiro-ministro." (António José Seguro)

Embora o constate, continua, também ele, a fazer promessas.

terça-feira, Julho 08, 2014

Portugal ruma ao desenvolvimento

Hoje fomos tomados pelo entusiasmo ao ouvir o Sr. Primeiro-ministro anunciar, baseando-se num estudo encomendado pelo seu governo à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que afinal as desigualdades na distribuição do rendimento assim como os índices de pobreza relativa, estavam a diminuir. Boas notícias! Se considerarmos ainda a notícia menos recente da diminuição na taxa de desemprego, tudo indicia então que o desenvolvimento chegou ao País. Caramba! Afinal o neoliberalismo é coisa boa e contribui para o desenvolvimento. E julgávamos nós que estávamos a empobrecer, a ficar socialmente cada vez mais desiguais e que a diminuição da taxa de desemprego se devia há recente hemorragia emigratória de desempregados, que superou a dos anos 60.

Fomos ver, e... pasmo!

O tal relatório da OCDE intitulado, Portugal, Consolidação da Reforma Estrutural para o Apoio ao Crescimento e Competitividade, Julho de 2014, refere logo no prefácio do Sr. Angel Gurría (3ª frase) que “Portugal conseguiu reduzir a desigualdade na distribuição do rendimento e conter o aumento da pobreza, apesar de passar por uma grave crise, com níveis recorde de desemprego.”

Depois de esfregarmos os olhos, fomos ver melhor à página 9 do dito relatório e lá diz:

De acordo com o coeficiente de Gini entre 2007 e 2012, Portugal sofreu, de forma efetiva, o segundo maior decréscimo ao nível da desigualdade na distribuição dos rendimentos da União Europeia, (Figura 6). Contudo, a melhoria na distribuição do rendimento concentrou-se no período de 2007 a 2009. Desde então, a desigualdade pouco variou, mantendo-se estagnada num nível elevado (o sexto mais elevado da OCDE). A taxa de pobreza relativa também desceu de forma acentuada neste período, uma conquista que o País conseguiu manter durante a crise apesar do difícil ambiente económico (Figura 7).” (os destaques e sublinhados são nossos)

Fomos ver os gráficos: referem-se no título, a alterações no coeficiente de Gini e da taxa de pobreza relativa, no período 2007-2011. Além disso saliente-se que segundo o relatório: “a melhoria na distribuição do rendimento concentrou-se no período de 2007 a 2009.

Que desilusão! O presente governo assumiu funções em meados de 2011. O período a que se refere o relatório, no que respeita à variação do coeficiente de Gini e à variação do índice de pobreza relativa, abrange, quanto muito, os primeiros 6 meses da sua actuação, contudo, a informação foi apresentada nos órgãos de comunicação social, de tal forma, que esses “êxitos” parecem ser da sua lavra. É no que dá um relatório feito de encomenda.

Nos discursos do primeiro-ministro e do Sr. Angel Gurría omitiu-se oportunamente o facto de a melhoria na distribuição do rendimento se ter concentrado no período de 2007 a 2009 e que o nível de desigualdade de rendimentos é ainda “o sexto mais elevado da OCDE”.

O cinismo desta gente é de bradar aos céus.

O referido relatório pode ser consultado AQUI.

segunda-feira, Julho 07, 2014

Portugal, A Flor e a Foice, de J. Rentes de Carvalho

O livro de J. Rentes de Carvalho, Portugal, A Flor e a Foice, projecta uma luz de holofote sobre um período histórico, que agora alguns querem branquear em novas historiografias. Ao lê-lo tudo fica mais claro. Escrito em cima dos acontecimentos, mas em dois espaços diferentes, Portugal e Holanda, o que lhe confere quase simultaneamente a proximidade e a distância necessárias a uma visão clara, livre de contaminações revisionistas, não se coíbe de chamar os bois pelos nomes. Ao contrário de uma certa História de Portugal que por aí foi contada em fascículos – refiro-me àquela que foi coordenada por Rui Ramos e companhia -, em que não se ousa chamar ao Estado Novo de Salazar, aquilo que ele realmente foi, um regime fascista, Rentes coloca-os – a Salazar e ao estado Novo - no seu devido lugar, entre os regimes fascistas europeus. Finda a leitura, o sentimento é de gratidão para com o homem, pela leitura prazerosa e por clarificar em momento oportuno o que muitos por aí nos querem ocultar ou confundir, trocando as voltas à história.

***


O general António de Spínola, primeiro presidente da IIIª República, lutou na Guerra Civil de Espanha ao lado dos franquistas, como voluntário, e esteve ao lado dos nazis, com as tropas alemãs do general Von Paulus, em Estalinegrado. É caso para dizer “Herr von Spínola”, como lhe chama Rentes, num capítulo que lhe é dedicado. Não deixa de ser uma ironia que o primeiro presidente após o 25 de Abril de 1974 tenha estado com os nazis e com os franquistas, num dos períodos mais negros na história da Europa e do mundo.

sábado, Julho 05, 2014

A Fortuna protege os boches

Nem Neymar nem Thiago Silva, dois elementos fundamentais da equipa de futebol brasileira, vão defrontar os alemães nas meias-finais do Campeonato do Mundo de Futebol, na próxima terça-feira. O primeiro abandona o Mundial com uma vértebra fracturada, o segundo foi suspenso por acumulação de cartões amarelos.

É caso para dizer: a sorte protege os alemães.

Neymar contorcendo-se de dores após ter sido atropelado por um bruto  jogador chamado camião.

Sposalizio

Rafael, Sposalizio, 1504

Etiquetas