sexta-feira, dezembro 31, 2010

Grandes aberturas: Ilíada


Canta, ó deusa, a cólera de Aquiles, o Pelida
(mortífera!, que tantas dores trouxe aos Aqueus
e tantas almas valentes de heróis lançou no Hades,
ficando seus corpos como presa para cães e aves
de rapina, enquanto se cumpria a vontade de Zeus),
desde o momento em que primeiro se desentenderam
o Atrida, soberano dos homens, e o divino Aquiles.”

Homero, Ilíada, Edições Cotovia, 2005

A cólera, como bem notou Sloterdijk*, vem no princípio desse poema-força que é a Ilíada, logo no “início da primeira frase do património europeu”. É ela que move as acções dos heróis, que, por ela possuídos, se lançam na fogueira da violência extrema. É ela que move Aquiles, um prodígio em combate. O herói, na verdade, é a cólera personificada. Mas não só Aquiles: Ajax, outro herói de Tróia, é um Quixote da Era Clássica que degola os animais saqueados pelo exército, num acesso de loucura colérica, julgando ver neles os chefes gregos que lhe negaram a herança de Aquiles, como nos conta Sófocles na sua tragédia.

***

Pois bem, a cólera nunca abandonou a Europa. Sempre viveu aqui. Que o digam as vítimas dos conflitos do século XX, por exemplo, quando ela tomou novamente conta dos povos e os lançou, uns contra os outros. Que o digam as vítimas da Revolução Francesa e as vítimas de todas as revoluções e rebeliões. As explosões revolucionárias são movidas pela cólera: mais uma vez, como nos lembra Sloterdijk, “não são os seres humanos que possuem as suas paixões, mas antes as paixões que possuem os seus seres humanos” (p. 19).

Na Europa, por vezes, a cólera mantém-se durante um longo tempo adormecida, é certo, mas torna sempre a acordar ou é acordada pelos homens, inadvertidamente. Agora que 2011 se aproxima, receio que estejamos ante um desses momentos. Poderá ser um ano de rebeliões (porque em democracia), porque os europeus estão a ser empurrados para a acção e para o desespero, resultado de políticas neoliberais abraçadas pelos seus governos e impostas por um directório não democrático com sede em instituições não democráticas da União Europeia.

Será 2011, um ano de rebeliões na Europa e de revoluções fora dela?

Aguardemos placidamente que o vento comece a soprar.
_____________________________________________________________
(*) Peter Sloterdijk, Cólera e Tempo, Relógio D’Água, 2010

quarta-feira, dezembro 29, 2010

O último tratado de Tony Judt (1948-2010)

Como cidadãos de uma sociedade livre, temos o dever de olhar o mundo criticamente.

Toni Judt, Um Tratado Sobre os Nossos Actuais Descontentamentos, Edições 70, 2010, p. 219

Um pequeno livro. Um portento!

Obrigado Tony Judt.

Que descanse em paz.

terça-feira, dezembro 28, 2010

Grandes aberturas: Viagem ao Fim da Noite


«Isto começou assim. Eu não tinha dito nada. Nada. Foi Artur Ganate quem me fez falar. Artur, estudante de medicina, como eu, um camarada. Encontrámo-nos, por sinal, na Praça de Clichy. Depois do almoço. Quer-me falar. Escuto-o. «Não fiquemos cá fora! – diz-me. – Entremos!» E pronto, entro com ele. «É que esta esplanada, sabes, é para gente bem! Vamos por aqui!» Nesse momento reparamos ainda que as ruas estão desertas por causa do calor. Nem um carro, nada. Quando faz muito frio também não se vê ninguém nas ruas. Fora ele próprio, lembro-me bem, a dizer a tal respeito: «Os habitantes de Paris dão-me sempre a impressão de estarem ocupados, mas na verdade passeiam de manhã à noite; a prova disso é que logo que o tempo não está bom para passear, muito frio ou muito quente, ninguém mais os vê, todos eles recolhidos a tomar cafés-creme ou cervejas. É como te digo. O século da velocidade! – afirmam. Onde está ela? Grandes transformações! – anunciam. Onde? Na realidade nada mudou. Continuam todos a admirar-se mutuamente e pronto. E também isto não é novo. As palavras, e assim mesmo não muitas, é que mudaram! Duas ou três aqui e ali, insignificantes…» Então, muito orgulhosos por termos feito repicar estas úteis verdades, ali continuámos sentados e encantados a olhar as mulheres, dentro do café.»
(…)
«A guerra aproximava-se de nós sem que tivéssemos dado conta disso, e a minha cabeça também já não estava muito boa.»
(…)
«Foi então que mesmo ali à frente do café onde estávamos sentados começou a passar um regimento, com o coronel à frente, a cavalo, e por sinal tinha esse coronel um ar simpático e bastante folgazão! Senti logo um impulso de entusiasmo.»
(…)
«Depois marchámos durante muito tempo. Havia ruas e mais ruas e também, dentro das casas, os civis e as suas mulheres que nos gritavam encorajamentos, que nos atiravam flores, das esplanadas, das estações e das igrejas repletas. Quantos patriotas por ali havia! Mas depois passou a haver menos patriotas…A chuva começou a cair, e então cada vez menos e por fim nenhum encorajamento, nem um só pelo caminho.
E não é que estávamos já sozinhos? Uns atrás dos outros? A música parou. «Em resumo – disse para mim próprio quando vi como a coisa estava a correr -, já não tem graça! É mesmo de voltar para trás!» Ia safar-me, porém demasiado tarde! Haviam tornado a fechar a porta de mansinho atrás de nós, civis. Fôramos apanhados que nem ratos.»

Céline, Viagem ao Fim da Noite, Círculo de Leitores, 1989

***

Céline e a sua grande obra introduzem-nos no espírito do tempo pouco antes do início da Grande Guerra. A história começa nos cafés de Paris, na iminência de uma guerra para onde marcharam alegremente os jovens soldados da velha Europa, entre os quais Bardamu. Nem sabiam o que os esperava. Caíram na guerra, como quem cai numa ratoeira. Desta forma, foi fácil entrar na guerra; difícil foi sair dela. O século XX, confirmou-se depois, foi também o século da velocidade e das grandes mudanças. Após a Grande Guerra o mundo jamais seria o mesmo, tal foi a mudança induzida. Mas nos primeiros anos da Grande Guerra, os soldados e os carros atolavam-se nos lamaçais e nas trincheiras. Só com a entrada da América na guerra é que a velocidade chegou e o impasse das trincheiras foi vencido.

Não tenham medo!

«Começámos uma época de medo. A insegurança voltou a ser um ingrediente activo da política nas democracias ocidentais. Insegurança gerada pelo terrorismo, é claro; mas também, e mais insidiosamente, medo do ritmo incontrolável da mudança, medo de perder o emprego, medo de perder terreno para os outros numa redistribuição de recursos cada vez mais desigual, medo de perder o controlo das circunstâncias e rotinas da nossa vida diária. E talvez, sobretudo, medo de que talvez não sejamos só nós que já não conseguimos moldar as nossas vidas, mas que também que quem manda tenha perdido o controlo, para forças fora do seu alcance.»

Toni Judt, Um Tratado Sobre os Nossos Actuais Descontentamentos, Edições 70, 2010, p. 203

Ao ler este trecho do excelente texto de Tony Judt, escrito no ano da sua morte, lembrei-me das palavras de João Paulo II, no discurso inaugural do seu pontificado: “Não tenham medo!”. Actual, portanto. Se nos querem amedrontar, sejamos bravos e corajosos. Oponhamos a coragem ao medo. Agora, mais do que nunca.

Coragem contra a repressão. Coragem contra a opressão. Coragem contra a reacção, agora mais forte do que nunca. Coragem contra a supressão do debate democrático. Coragem contra esta política do medo. Coragem para questionar este caminho único que nos querem impor. Coragem para viver.

segunda-feira, dezembro 27, 2010

Com que então não há alternativa*?!

«A dinâmica inelutável da competição e integração económica global tornou-se a ilusão da nossa era. Como Margaret Thatcher uma vez explicou: Não Há Alternativa(p. 182).

«Mas tal como as instituições intermédias da sociedade – partidos políticos, sindicatos e leis – dificultavam os poderes de reis e tiranos, também o próprio Estado democrático pode agora ser a principal ‘instituição intermédia’: situada entre os cidadãos impotentes e inseguros e companhias ou agências internacionais insensíveis e inimputáveis. E o Estado – ou pelo menos o Estado democrático – conserva uma legitimidade única aos olhos dos seus cidadãos. Só ele responde perante estes, e estes perante ele.» (p. 184)

Toni Judt, Um Tratado Sobre os Nossos Actuais Descontentamentos, Edições 70, 2010

Em democracia há sempre alternativa! E os governos têm duas: ou se colocam ao lado “dos cidadãos impotentes e inseguros” ou passam a servir as “companhias e agências internacionais insensíveis e inimputáveis”, ou por outras palavras, passam a servir os “mercados financeiros ” não democráticos. Se escolherem este segundo caminho, como parece que está a acontecer, então os cidadãos serão obrigados, mais tarde ou mais cedo, a encostar os governos à parede.

É claro que são duas alternativas polares, e os governos podem ainda escolher uma intermédia, mas toda a alternativa que se afaste da defesa dos direitos dos cidadãos e aponte para o desmantelamento do Estado-providência, é uma alternativa que se afasta da democracia.

domingo, dezembro 26, 2010

O progresso

«Foi uma proeza notável do Iluminismo unir categorias morais clássicas a uma visão secularizada do aperfeiçoamento humano: numa sociedade bem ordenada, os homens não se limitariam a viver bem, mas lutariam por viver melhor do que no passado. A ideia de progresso entrou no vocabulário ético e dominou-o durante grande parte dos dois séculos seguintes. Ainda hoje nos chegam ecos desse optimismo inocente, quando os Americanos falam entusiasticamente de 'reinventar-se'. Mas à excepção das ciências naturais, será que o progresso ainda é um relato credível do mundo que habitamos?»

Toni Judt, Um Tratado Sobre os Nossos Actuais Descontentamentos, Edições 70, 2010, pág. 173-174.

Se o progresso é a bomba atómica, então estamos falados quanto ao progresso.

E não me falem mais em progresso! Seus babuínos!

segunda-feira, dezembro 20, 2010

Quando o “terceiro mundo” acordar

Um polícia persegue uma operária de uma fábrica de roupas que se manifestava com outras em Dhaka, no Bangladesh. Exigiam aumentos salariais.

Esta imagem, de 13 de Dezembro, é mais um sinal do início de uma nova Era. Uma Era em que os trabalhadores dos países em desenvolvimento se tornam reivindicativos e conscientes da exploração que lhes é movida pelas multinacionais e pelos capitalistas, ávidos de lucro.

É certo que o Estado e os seus governantes, corruptos e corrompidos, ao serviço dos interesses dos capitalistas e das multinacionais, pode enviar a polícia para bater nos trabalhadores, os mesmos trabalhadores que, com as suas contribuições e impostos, pagam o salário dos polícias. Mas, a pressão reivindicativa será imparável.

Quando essa pressão se tornar insuportável, para onde fugirá o capital então? Para África? Regressará ao Ocidente?

Onde irá procurar a mão-de-obra barata?

domingo, dezembro 12, 2010

Grandes aberturas: Moby Dick


Tratem-me por Ismael. Há alguns anos – não interessa quando – achando-me com pouco ou nenhum dinheiro na carteira, e sem qualquer interesse particular que me prendesse à terra firme, apeteceu-me voltar a navegar e tornar a ver o mundo das águas. É uma maneira que eu tenho de afugentar o tédio e normalizar a circulação. Sempre que sinto um sabor a fel na boca; sempre que a minha alma se transforma num Novembro brumoso e húmido; sempre que dou por mim a parar diante de agências funerárias e a marchar na esteira dos funerais que cruzam o meu caminho; e, principalmente, quando a neuroastenia se apodera de mim de tal modo que preciso de todo o meu bom senso para não começar a arrancar os chapéus a todos os transeuntes que encontro na rua – percebo que então chegou a altura de voltar para o mar, tão cedo quanto possível. É uma forma de fugir ao suicídio. Onde, com um gesto filosófico, Catão se lança sobre a espada, eu, tranquilamente, meto-me a bordo. E não há nisto nada de extraordinário. Embora inconscientemente, quase todos os homens sentem, numa altura ou noutra da vida, a mesma atracção pelo oceano.”

Herman Melville, Moby Dick, Relógio D’Água

A leitura do grande romance de Melville, começa com um embarque. O embarque de Ismael? Não! O nosso embarque com Ismael. É com ele que embarcamos para a grande viagem, rumo ao desconhecido. É com ele que fugimos à vida quotidiana, à depressão e ao cansaço mental e zarpamos num estranho navio. E de repente o desconhecido não é só o que o oceano oculta para lá do horizonte e abaixo da linha das suas águas, nos abismos profundos. É também o próprio navio onde embarcamos e a sua estranha tripulação. E assim, aos poucos, vamos penetrando não só no oceano, mas também no navio, e nos mistérios de uma tripulação comandada por um homem obstinado, disposto a navegar em todos os mares do mundo. E com ele perseguimos a baleia que lhe foge e lhe torna a aparecer, quando menos se adivinha, investindo numa ira sem fim.

sábado, dezembro 04, 2010

Que me perdoe o Alegre mas…

...não é tempo para nos alegrarmos, e muito menos para nos encavacarmos. E que me desculpe o Lopes das nomenklaturas.

É tempo de nos enobrecermos.

O Alegre que me perdoe, mas votarei no Dr. Fernando Nobre.

  • Ele não é político.

  • Ele é um dos portugueses mais ilustres e notáveis da actualidade, um homem de qualidade.

  • Ele tem provas dadas no seu campo, ou seja, na área do auxílio humanitário e na ajuda ao próximo.

  • É um homem genuinamente sensível às causas sociais, longe de o ser por parecer bem ou por motivos eleitoralistas

  • A sua área política é suficientemente alargada: vai da esquerda à direita.

  • É genuíno e verdadeiro, fala a verdade ao contrário de Cavaco que mente quando diz que fala a verdade, pois de seguida afirma que não é político, sendo um dos políticos há mais tempo no activo na nossa praça.

  • Além disso confiaria em Fernando Nobre, se tivesse que lhe comprar um automóvel em segunda mão, ao contrário dos outros candidatos.

Etiquetas